50/30/20: finanças para quem mora sozinho (ou sonha) - Moça de Casa | Carreira, estudos e rotina: de casa

50/30/20: finanças para quem mora sozinho (ou sonha)

by - outubro 04, 2019



Quando as pessoas se mudam, têm muita coisa no radar. O que comprar como parte da mobília, quem chamar para dividir a casa, como fazer aquele arroz maravilhoso do seu pai e qual ônibus pegar para chegar ao trabalho. Muitos viram um para-raio de para-nóia. Nessas horas, só nos fortalece a nossa certeza interna de que há força suficiente cá dentro e apoio eminente cá fora.


Ainda assim, nada tira mais horas de sono do que a calculadora. Os números que ela mostra é que vão dizer se poderemos pagar por aquele apartamento legal do lado do escritório ou do parque mais bonito da cidade. Mais do que isso, se vamos passar perrengue todo mês ou comer fora toda semana.


Para a minha felicidade, eu aprendi cedo. Meus pais nunca foram tão ligados em finanças pessoais: organizados, nunca atrasaram uma conta. Mas adoram uma parcela. Encontraram uma vasilha de 10 reais? É certo que vão perguntar se dá pra parcelar em 10x, mesmo que tenham a grana. Apesar de não ser a minha praia, hoje acho graça.


Disse ali que aprendi cedo porque, além de ter um exemplo financeiro em casa melhor do que a maioria, eu trombei com a Thais Godinho quando nem tinha completado 13 anos ainda. E, sabe, numa época sem Nathalia Arcuri e uma galera enorme falando sobre o assunto na internet, ler os posts dela sobre organização e dinheiro moldaram muito a minha relação com esse último item.


Numa pesquisa rápida, não consegui encontrar o post exato (o breakthrough), mas tenho essa memória muito vívida no meu cabeção. Foi ela citar que usava o 50/30/20, há vários anos atrás, e eu sair lendo tudo o assunto.



O que é o 50/30/20

O 50/30/20 é uma forma de organizar o orçamento, separando o dinheiro que entra em três “baldinhos” diferentes: gastos essenciais, gastos de apoio e reserva/investimento.


Para o primeiro, reservamos 50% da nossa renda. Para o segundo, 30%. Para o terceiro, por fim, sobram 20%. Isso significa que, se você recebe um salário de r$3.000,00, você terá:
  • r$1.500,00 para os gastos essenciais;
  • r$900,00 para os gastos de apoio;
  • r$600,00 para a reserva/investimentos.


Dentro da realidade de quem mora sozinho, podem ser considerados gastos essenciais: aluguel do imóvel (ou parcela do financiamento), contas (água, luz, internet) e alimentação (supermercado). Além disso, é possível que você tenha outros gastos essenciais, como a mensalidade da faculdade, por exemplo. Antes de surtar, tenha em mente que a regra básica desse “montinho” é considerar todos os itens que você considera essenciais para a sua vida. Aquilo que você manteria de qualquer forma, mesmo que fosse demitido e só tivesse a sua própria reserva como fonte de renda por alguns meses.


Agora quando o assunto é gastos de apoio, entram aqueles itens que tornam a sua vida melhor e mais divertida. Netflix, restaurante, cinema, salão de beleza, festinhas etc. Aquelas coisas que parecem meros supérfluos, mas compõem o seu estilo de vida, garantindo um cotidiano mais confortável. É viver, mais do que sobreviver - e por isso são chamados de gastos “de apoio”, pois suportam o seu conforto no cotidiano. É o tal prazer imediato.


Por último (mas não menos importante, como eu espero que tu já saiba), a parcela para a reserva/investimentos. Um pouco autoexplicativo: é o valor que você poupa. Uma parte para a sua aposentadoria, a outra para objetivos de longo, médio e curto prazo. Se esse é o seu primeiro contato com o conceito, experimente destinar metade do valor para a aposentadoria e a outra para a sua reserva.


Pelo mundão, ela é conhecida como reserva de emergência. Contudo, se você já leu Os Segredos da Mente Milionária, sabe que o T. Harv Eker é contra usar termos como esse para o saldo poupado. E o argumento que ele usa para tanto é excelente:


“Poupar para os dias difíceis parece uma boa ideia, mas pode também criar grandes problemas. Um dos princípios que ensino nos cursos é o poder da intenção. Se você está juntando dinheiro para os dias difíceis, o que acabará conseguindo? Dias difíceis! Pare de fazer isso. Em vez de economizar para tempos ruins, concentre-se em guardar para os dias feliz para o dia em que você alcançar a sua liberdade financeira.”


Ler esse trecho foi bem mind-blowing para mim e desde então o termo reserva de emergência virou apenas “reserva” e eu sempre penso que tenho esse montante para os períodos em que quiser dar um tempo do trabalho (vida de autônomo, né, bebêres) ou parar tudo para repensar a vida. Tipo agora.




“Ah, mas se eu for esperar até 50% da minha renda corresponder até 50% dos meus gastos essenciais, eu nunca vou conseguir morar sozinho…”. Eu sei que a parte manhosa da sua mente deve ter te sussurrado algo assim durante a leitura desse post. Nesse caso, eu sempre lembro do que a Nathalia Arcuri disse em um vídeo também sobre orçamento pessoal:


Se o que é essencial não está cabendo nos 55%, você está vivendo uma vida que não é sua!"

Como você pode ver, aqui ela fala em 55% para os gastos essenciais. Isso porque existem várias formas de se organizar o orçamento: 55-30-15, 70/30...


O importante mesmo é que todos separam uma porcentagem certa para gastar e poupar. Nada de “ah, eu guardo o que sobra… Mas nunca sobra nada.”, hein. Se você ainda diz isso para si mesmo, volte na frase da Nathalia ali em cima e repita como mantra até não dar brecha para a autossabotagem travestida de autorresponsabilidade piedosa.


Preciso confessar que meu sonho de princesa é viver o que eu acho de 50/30/20 invertido:

  • Poupar 50%
  • Reservar 30% para gastos de apoio
  • Concentrar os gastos essenciais nos 20% restantes.


“20%? A senhorita Sabrina está pensando em viver embaixo da ponte e só comer ervilha enlatada?”

Não, né, gente. A meta é ganhar o suficiente para que os gastos essenciais correspondam a apenas 20% da renda total. Ou seja, se eu ganhar 10 mil reais por mês, o aluguel, o supermercado e os boletos da Net (e os demais itens dessa lista de boletos) devem chegar a no máximo 2 mil reais.


Um número ótimo, convenhamos. Se você acha que não, o problema é que vemos os 10 mil reais e queremos o estilo de vida “essencial” de quem gasta 10 mil reais. Aí fica difícil… É aquela coisa de viver um degrau abaixo, né? Foco!


50/30/20 na casa?

Outra ideia que me agrada muito é também aplicar o 50/30/20 nas finanças da casa. Nesse caso, é separar um valor fixo mensal para o baldinho “Casa”.


Se eu separo 50% da minha renda só para a casa e ganho hipotéticos 3 mil reais, eu gasto:
  • 50% com os itens essenciais (ou seja, 750 reais);
  • 30% com a decoração (ou seja, 450 reais);
  • 20% com a poupança para os sonhos maiores, como uma reforma grande no banheiro, a construção de um closet ou a compra de mobílias e eletrodomésticos mais caros (ou seja, 300 reais).

Principalmente no começo, quando nos mudamos, acredito que esse é o meu modelo favorito. Afinal, o foco de todo o nosso dinheiro acaba virando a construção do lar - da lava e seca à prateleira para os nossos livros favoritos. É o deixar de frequentar a festinha do centro da cidade por um tempo, porque aquele sofá fofinho vale mais a pena. Nos adaptamos, assim como as nossas finanças. Morar sozinho também é mudança de prioridades, sabe?


Antes de ir, me conta:

Como você organiza o seu orçamento? Qual é aquele gasto que você não vê a hora de ter na casa nova?


Para mim, por exemplo, poucas coisas são mais divertidas e relaxantes do que uma ida ao supermercado. Da preparação da lista de compras às ideias dos pratos que vou fazer com os ingredientes, até o tempinho na fila do caixa se torna tranquilidade no meio do meu ritual.


Com o coração rico,
Sabrina Santiago.



(não resisti, desculpa!)

Postagens Semelhantes

12 comentários

  1. Achei ótimo o seu post. São dicas essenciais, mesmo que a gente não planeje morar sozinhx no momento. Eu mesma não tenho esses planos, mas senti necessidade de saber para onde vai tudo o que ganho no mês, saca? Já tem uns três meses que estou acompanhando dona Nath Arcuri e suas dicas financeiras, que estão me ajudando bastante. ^^ E consegui fazer o que sempre achei impossível, investimentos. São pequenos detalhes que estão me fazendo abrir mais os olhos e prestar atenção para onde vai meu suado dinheirinho e ver ele rendendo, mesmo que seja pouco agora, mas me deixa muito feliz.
    Bjks!

    http://mundinhodahanna.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Olá, Sabrina.
    Eu achei o post bem informativo. Ainda não conhecia esse método e acho que vou tentar. Não moro sozinha, moro com minha mãe, mas sou eu que tomo conto da grana hehe.

    Prefácio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acredite: é um hábito para vida, Sil. Quando se mudar, você vai estar bem mais preparada.

      Excluir
  3. Oi Sabrina.
    Ainda moro com meus pais, mas estou começando a pensar em mudança para outro estado para seguir em frente com os sonhos de ser editora.
    Obrigada pelas informações.
    Foram maravilhosas.
    Beijos.
    Blog: Fantástica Ficção

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como eu disse para a Sil ali em cima, Jess, aplicar desde já é uma vantagem: você não precisa esperar para começar. Se joga! <3

      Excluir
  4. Uau, que post incrível. Realmente, é preciso saber administrar o nosso dinheiro para não passar sufoco. Achei o método super interessante, vou tentar aderir! ❤

    https://www.kailagarcia.com

    ResponderExcluir
  5. Caramba, que post mais sensacional! Eu já tinha ouvido falar desse 50/30/20, mas não havia dado importância... até então hehe quando o assunto é finanças, eu sou muito preguiçosa, sabe? Acho todo o conceito muito legal, mas não consumo praticamente nenhum conteúdo do tipo, mas pelo menos me considero uma pessoa controlada em termos de gastos. Dou um braço inteiro para não fazer parcelas e quando preciso comprar algo com o gasto mais elevado, penso muito e estudo todo o meu orçamento kk talvez seja um 50/30/20 improvisado :B outra coisa que acho super importante nesses conceitos é conhecer a sua realidade e adaptar né? Eu não vejo a hora de poder morar sozinha, só que no momento estou desempregada, então a fim de realizar esse sonho futuramente, cortei absolutamente todos os meus gastos e guardei todo o dinheiro da rescisão para a compra de eletrodomésticos rs o apto eu não tenho, mas pelo menos o dinheiro para mobilar sim hahaha

    um beijo,
    gabi ramalho

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. MEU ORGULHO! <3 É só se jogar nos estudos (divertidos) de finanças pessoais e correr pro abraço, Gabi. Sério, tô vibrando por você!!!

      Excluir
  6. Eu tenho tentado mais e mais controlar os meus gastos mas é algo que até hoje tenho um pouco de dificuldades. A única vez que consegui economizar foi aquele macete das 52 semanas porém mesmo assim não consegui chegar até o fim. Me imagino morando sozinha sendo assim e isso me assusta um pouco porque não tive nenhuma educação financeira e estou aprendendo sobre isso por agora. Mas gostei dessa dica do 50/30/20, é mais fácil e bastante útil.

    Abraço,
    Parágrafo Cult

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo é sobre hábitos, Larissa. Quais são os hábitos que estão te afastando do controle financeiro e incentivando o seu descontrole? Tudo começa nessa pergunta. Força!

      Excluir