Solidão: Como driblar esse sentimento quando se vive em casa? - Moça de Casa | Carreira, estudos e rotina: de casa

Solidão: Como driblar esse sentimento quando se vive em casa?

by - dezembro 07, 2018


Morar sozinho tem muitos benefícios. Alguns, como dar festas todo final de semana e nunca lavar a louça contra a sua vontade, se reservam apenas ao imaginário. Outros, como poder decorar o seu cantinho, criar as suas próprias regras e andar pelada sempre que quiser, acabam se concretizando mesmo.

Ainda assim, existem alguns aspectos não tão agradáveis assim nessa jornada e nós precisamos falar sobre eles. A solidão é apenas um dos perigos escondidos na independência. Vamos tratar apenas dela hoje, mas se te interessar conversar sobre os outros: deixe um comentário, por favor. 

Mas, Sabrina, o que é a solidão, afinal?

Segundo o dicionário, solidão é "o estado de quem está só, retirado do mundo". Parece uma explicação muito redundante, né? 

Mas, na minha experiência, eu pude perceber que a solidão é exatamente isso. Uma sensação permanente de não estar conectado com nada, de se sufocar dentro de si mesmo. Como se, de repente, você tivesse cavado muito fundo e não soubesse como voltar. Ou, então, após tanto tempo sozinho, não encontrasse mais tanto prazer na sua própria companhia.

Sabe quando você assiste muitos episódios da sua série preferida e sente, que mesmo a amando, você precisa assistir algo novo? O solitário se sente exatamente assim. Sua maior carência é a excitação que novas pessoas, conversas e experiências trazem à vida.


O grande problema, meu caro, é que a solidão é sorrateira. Ela chega de mansinho e é preciso muito autoconhecimento para reconhecê-la logo no início.

Para quem mora sozinho, trabalha ou estuda em casa, a falta de uma obrigação social fora de casa é um grande fator de risco. Começa com um dia sem sair de casa, depois outro e, quando nos damos conta, uma semana inteira foi embora sem que víssemos alguém pessoalmente. O próximo passo é bater um papo com a ansiedade, a tristeza (sem motivo aparente) e a irritabilidade: os top sintomas da mente solitária.

Até com os introspectivos é assim! O isolamento, que antes energizava tanto, acaba não provocando efeito algum. É sufocante! 

Não entendemos o que sentimos até percebermos a falta de contato social na nossa rotina. Daí a importância de, com o tempo, ficarmos mais atentos e nos conhecermos. Aprendermos a diferença a solidão e solitude (que é um estado incrível de aproveitar a própria companhia) e encontrarmos alguns antídotos que nos blindem desse mal.

No fim de tudo, a solidão é como um termômetro, sabe? Quando ela chega, é para dizer que algo em nossos relacionamentos não vai bem. Seja no tempo dedicado a nos relacionarmos, seja na qualidade dos contatos.

Se possível (e sendo a louca das listas), eu ficaria feliz em poder te ajudar. Eu tenho alguns contra-ataques muito eficazes para podar a solidão, que fui desenvolvendo ao longo do tempo. Se for útil para você, use sem medo! 

São eles:

Ligar para alguém.

Não é mandar uma mensagem. Não é mandar um áudio de 10 segundos. É ligar! Esperando enquanto chama e tudo mais.

A espontaneidade de uma ligação, de estar 100% ali com outro ser humano, tagarelando e rindo juntos, refresca o coração. Não é como o contato de pertinho, mas quebra um galho nos horários mais inesperados (que é justamente quando a bendita solidão resolve fazer uma visita). Não precisa passar horas no telefone (embora eu passe, de vez em quando, e adore). Apenas alguns minutinhos já são suficientes para sentir os efeitos bacanas de passar o tempo com alguém que você adora, ok?


Sair de casa.

Às vezes, é terça feira à tarde, dia 30, e nenhum dos seus amigos pode te encontrar. Acontece. Mesmo assim, saia de casa: dê uma volta, vá na padaria, no açougue, no supermercado... Converse com a senhorinha na fila dos legumes, pergunte do tempo, deseje "boa tarde" a um estranho, dê um sorriso. INTERAJA! Veja a vida acontecer e, o mais importante, veja o quanto acontece na vida das outras pessoas. Não é futricar, mas sim entender que você não está sozinho. No silêncio da casa, às vezes é difícil perceber, mas existem bilhões de pessoas mundo a fora, em coexistência contigo. Mais uma vez: você não está sozinho!

Visitar um amigo.

Acabei de perceber que essa é a junção da dica 1 e 2. Deve ser por isso que ela é tão poderosa.

Ir ao encontro de um amigo, enquanto passeia pela rua no caminho, te preenche de contato humano conhecido e desconhecido. Pessoas desconhecidas e amadas, na mesma oportunidade.

Se estiver em uma situação crítica de isolamento, não se acanhe. Converse com seu amigo sobre isso. Peça ajuda! Não tenha medo de ser tido como fraco ou carente (99% do que a gente acha que as pessoas pensam sobre nós nunca sequer passou pela cabeça delas, lembra?). Se ele for seu amigo mesmo, vai ficar super feliz em te ajudar.

No mais, um simples abraço dele(a) é suficiente para diminuir o seu estresse, aliviar a dor física e controlar a pressão arterial. Tudo cientificamente comprovado e muito bem-vindo, concorda?


Conhecer pessoas novas e alinhadas com o meu jeitinho.

Às vezes, vemos pessoas o tempo todo. Passamos os fins de semana fora. Chega até a faltar um tempinho livre. Mas no fundo, no fundo, ainda nos sentimos solitários, como se fôssemos incapazes de nos conectar a quem está a nossa volta.

Esse é o momento de procurar uma nova turma. Não é abandonar a antiga, mas buscar por amigos novos e mais alinhados aos seus gostos e visão de mundo, com quem você se sinta livre para compartilhar aquelas coisinhas que parece que só você curte.

Eu vivi uma fase dessas há um tempo (acredito, inclusive, que ainda estou vivendo). O que me ajudou foi focar nas pessoas certas que já estavam na minha vida e buscar por oportunidades de conhecer outras. 

Na vida adulta, e vivendo em casa principalmente, pode ser difícil se enturmar no cotidiano, mas as dicas desse artigo podem te ajudar. Praticar um voluntariado, se inscrever em um cursinho rápido, ir em eventos... Perde essa vergonha disfarçada de preguiça e se joga!

Se precisar conversar, pode me chamar!

E me conta, ali nos comentários: como você dribla a sua solidão? Aposto que você conhece um antídoto certeiro. Compartilhe conosco!

Postagens Semelhantes

26 comentários

  1. com a correria do dia a dia e muitas vzes cada um cuidando da sua vida acabamos nos sentindo mais sozinhos. acho importante aprender a conviver com isso e claro, ter amigos que se possa recorrer

    www.tofucolorido.com.br
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderExcluir
  2. Nossa, sei exatamente como é isso do lance da série. Já fiz maratona, mas chega uma hora que cansa ficar ali sozinha assistindo a mesma série. Fico com vontade de conhecer gente nova, sair, conversar pessoalmente com alguém. A sensação e o efeito de ligar pra alguém é realmente muito bom, mesmo não curtindo muito falar por telefone ou ficar em ligações, é bom. Até uma rápida ida na padaria e um "obrigada" pra moça do caixa, já ajuda e é interação, haha! Faz bem. Concordo nisso de visitar um amigo. Esse final de semana fiz isso e foi bom! Sigo em busca dessa nova turma de amigos, porque to precisando. Adorei o post! Dicas muito válidas e vou tentar pôr em prática a partir de agora.
    Beijos!

    www.likeparadise.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Resumo lindo dessa minha (nossa) fase, Thami. Bom saber que não sou a única.

      Excluir
  3. A solidão também pode habitar em quem mora com mais gente.
    As vezes a correria é tanta, que quase ninguém pergunta como foi o seu dia ou se você está bem. É bem complicado.
    Adorei suas sugestões para quem quer driblar essa solidão. Vou compartilhar com a minha tia, pois ela mora há anos sozinha.

    Um beijo :*
    Jéssica Andrews Blog

    ResponderExcluir
  4. Ai que dicas mais incríveis! Ainda não passei por uma situação dessa, mas imagino que a vida corrida, mas o fator de trabalhar/morar sozinho pode trazer a solidão a toda. Mas o mais importante disso, é saber que tem sim solução e que não estamos sozinhos nessa.

    Beijo!
    Cores do Vício

    ResponderExcluir
  5. Ainda não cheguei nesse estágio, mas espero um dia chegar (pois significa que estarei morando sozinha haha).

    Mas achei seu post bem sincero e real. Nunca pensei nessa parte de se sentir solitário. Acho que tudo tem seu lado bom e ruim né!

    ResponderExcluir
  6. Amei sua reflexão, me sinto assim as vezes, como eu e meu marido trabalhamos em casa, e tem dias que a gente não sai, parece que a gente tá preso em um mundo sem ninguém, rs. Nessas horas a solidão bate, mas a gente tem que ter fé, orar muito e buscar melhor o que está nos limitando!

    www.kailagarcia.com

    ResponderExcluir
  7. A louça precisa ser lavada mesmo quando a gente não quer e não tem mãe pra mandar né?! kkkk
    Sabe que eu trabalho em casa e durante a semana eu só vejo meu marido praticamente a noite, então, eu passo o dia sozinha em casa e eu AMO! É muito raro me sentir sozinha, mas quando me sinto eu sigo o seu conselho sobre sair de casa. Eu invento um compromisso e aproveito que acabei de tirar a carteira de habilitação, então eu pego o carro e vou treinar direção indo ao supermercado, à academia, vou fazer trabalho voluntário ou visitar a minha mãe. Isso funciona bastante para afugentar a solidão.
    Beijo, Blog Apenas Leite e Pimenta ♥

    ResponderExcluir
  8. Oi, Sabrina!
    Nos últimos dois meses eu senti uma solidão absurda mesmo estando no meio de tantas pessoas.
    Eu fiz exatamente o que as suas dicas dizem: procurei meus amigos, sai de casa e comecei a retomar contato com pessoas que mereciam muito mais atenção do que eu estava dando. Aos poucos estou melhorando e o importante é ir se sentindo bem, né?
    Beijinhos,

    Galáxia dos Desejos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mari, o seu processo me inspirou muito. Obrigada por compartilhar. ♡

      Excluir
  9. Super amei as dicas! Passo o dia todo sozinha em casa mas a solidão não é um problema pra mim.

    Beijos,
    www.thalitamaia.com

    ResponderExcluir
  10. Oi Sa!
    Aqui nós passamos todo o nosso tempo livre juntos, mas vez ou outra a gente entende e sabe que o outro precisa ter um momento sozinho também, é importante.
    Já estava com saudades de comentar por aqui!!

    Feliz ano novo pra ti, que seu 2019 seja incrível! :)
    Rivière du Souvenir

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Passar um tempo sozinho também é muito importante, Re. É tudo sobre equilíbrio.

      Excluir
  11. Ameeei o post! Nunca morei sozinha, quando sai de casa já fui morar com o boy haha. Mas já me senti sozinha quando mudei de emprego, porque ainda não tinha feito amizades e me sentia deslocada. Assim também foi quando eu iniciei a faculdade, mudei de colégio, e por ai vai. A mudança causa medo no inicio, e nos passa essa sensação de solidão, o medo do novo... Mas é questão de adaptação e dicas como a sua que nos fazem sair da bolha. Arrasou nas palavras! Beijokas :) https://blogdanatz.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo nos faz crescer, Natália, se olharmos com carinho. Obrigada por comentar. ♡

      Excluir
  12. voltei para o meu primeiro ano de faculdade com seu texto! realmente, ficar sozinho tem sua parte boa, mas vem cheio de desafios também. as vezes eu ficava a mais na faculdade, na biblioteca, mesmo sem ter aula, para poder conversar e interagir mais :)

    beeeijos :*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nessas horas, a gente sempre dá um jeito de papear, né, Lorraine?

      Excluir
  13. Tem um ditado que vi por aii que diz. Se você chegar em casa a noite houver apenas uma xícara de café em cima da mesa, você que irá decidir se aquilo é solidão. Quando gostamos de estar conosco, fica fácil ficar com os outros e também que eles gostem de nossa companhia. Agora é preciso tomar cuidado para essa solidão não tomar conta e vir embalada de vazio porque ai já pode ser algo grave como a depressão.
    Beijos,
    Monólogo de Julieta

    ResponderExcluir