Novembro/18 e a vulnerabilidade - Moça de Casa | Carreira, estudos e rotina: de casa

Novembro/18 e a vulnerabilidade

by - novembro 30, 2017

Esse é um post escondidinho. Se você o encontrou, bom... Pelo que você estava procurando?

Esse mês, eu terminei o que, muito provavelmente, se consagrou o meu livro de não-ficção favorito de 2018. A Coragem de Ser Imperfeito, de Brené Brown, chegou até mim em um momento em que eu: 
  1. Estava com 0 saco para livros de autoajuda com clichês motivacionais;
  2. Precisava entender melhor a minha insegurança crônica; 
  3. Procurava por um livro com carinha de autoajuda, mas que fosse todo embasado em artigos científicos. 
Resumindo, eu era uma leitora voraz por autoconhecimento, mas que precisava de dados e estudos para acreditar no que estava lendo. Para acreditar que certas loucuras da minha cabeça aconteciam simplesmente porque, bem, eu sou humana e me sentir capaz de superá-las.

O objetivo desse post não é discorrer sobre o livro (que vale muito, muito a pena. A Brené é PhD no estudo da vergonha, e, acredite, esse sentimento é a raiz de quase todo comportamento disfuncional que nós, humanos, temos). 

Mas foi justamente essa leitura que marcou o meu Novembro e pensar nela me fez lembrar de vários outros momentos importantes desse mês. 

Como tenho memória de passarinho, gostaria de deixar alguns detalhes aqui registrados para que, eu mesma, possa usar no futuro como fonte de aprendizado e nostalgia. 

Lembrete

"Sabrina, a maioria das suas mudanças são internas. Ninguém vai notar. Elas são e sempre serão como as raízes de bambu, que vão fincando espaço embaixo da terra antes de finalmente espigarem o broto. Tudo bem se ninguém achar que você está diferente/mais otimista/menos madura. Viva os seus processos. Se existem coisas dentro de você que nem você mesma teve coragem de olhar por anos, não espere que os outros olhem. Tá tudo bem."

Livros

♥ Lidos: O Hobbit. // A Coragem de Ser Imperfeito. // Aristóteles e Dante Descobrem os Segredos do Universo. 

Lendo: A Idade Decisiva.



Filmes

Consideração número 1: Voltei a assistir filmes. Não que já não assistisse antes, mas o detalhe é: voltei a procurar de forma intencional, a me entregar ao enredo. Me sentir em casa, como há tempos não sentia. Tudo bem, menina, se essa não for sua profissão: é o seu lar.

Consideração número 2: Não consigo decidir entre Newness (obrigada, Amanda Teló que me indicou) e Pretty Woman (Julia Roberts nem é gente, é dona do meu coração todinho) para o filme favorito do mês. Talvez seja uma pequena desculpa para revê-los, não vou negar.

Crescimento

♥ Eu me sinto muito mais forte emocionalmente desde o fim de A Coragem de Ser Imperfeito. Esse livro realmente me rasgou por dentro. O melhor dele, na minha opinião, foi detalhar a diferença entre a vergonha e todos os sentimentos "semelhantes", como a culpa. Eu nunca tinha parado para pensar nisso.

♥ Quando nos sentimos culpados, acreditamos que tomamos uma atitude errada. Quando nos sentimos envergonhados, acreditamos que nós somos errados, que aquela atitude mostra como somos uns farsantes, terríveis e nada bons o suficiente. E, olha, foi um aprendizado valioso, pois confundimos os dois o tempo todo e agora eu posso me policiar um pouco mais no meu excesso de autojulgamento.

♥ "Viver plenamente é empenhar-nos na nossa vida, partindo do merecimento. Significa cultivar a coragem, compaixão e relações suficientes para acordar de manhã e pensar: "Independentemente do que for feito e de quanto ficar por fazer, eu tenho valor". É ir para a cama à noite a pensar: "Sim, sou imperfeito e vulnerável e por vezes tenho medo, mas isso não muda a verdade de que também sou corajoso e digno de amor e aceitação".

♥ Por outro lado, a leitura de A Idade Decisiva me ensinou mais sobre relacionamentos do que eu esperava. De quebra, ainda esfregou uma crença limitante minha bem no meu focinho, tão forte que eu precisei de alguns dias para digerir a informação.

Deixo aqui um trecho que quero sempre ter em mente: "Sei que uma boa vida se obtém buscando coisas que não apenas são interessantes, mas que façam sentido."

♥ Aliás, foi a autora de A Idade Decisiva, Meg Jay, e minha querida amiga Midria, que me convenceram a procurar uma terapeuta. Se tiver alguém a indicar, aliás, sinta-se livre para comentar.

♥ Nesse mês, eu identifiquei um tanto de crenças limitantes na forma como eu me enxergo e enxergo a vida. Vi de perto o quanto a mente pode ser cruel em sua própria tentativa de me proteger. Ter um pequeno arsenal próprio de "contra-ataques gentis" tem funcionado. Eu conheço as minhas verdades e não abrirei mão delas.

♥ Embora o Desafio Você em Paz, promovido pela Flavia Melissa, tenha acabado no dia 7, eu só tive coragem de botá-lo em prática com disciplina no dia 15. E foi surreal! 

♥ Meu desafio favorito foi justo o do dia 1, "faça uma coisa de cada vez". A minha mente tagarelou o dia todo sobre como eu poderia, SIM, fazer mais coisas, que seria apenas uma otimização de tempo, que eu estava a perder isso ou aquilo. Me mantive firme e descobri, olha só, que a mente mente. O mundo não acabou, eu me lembro com mais detalhes daquele dia do que de qualquer outro (porque eu estava presente nas atividades) e o máximo que "perdi" foram alguns programas de televisão. 

♥ No mais, redescobri como é comer sem um som de fundo... Só comendo, sabe? De uma forma estranha, há muito eu não sabia como era isso e nem tinha me dado conta desse "detalhe".

Hábitos

♥ Usei um dos meus materiais de trabalho como assistente pessoal em mim mesma e foi só amor. Eu tenho um questionário que guia as revisões semanais das minhas clientes e, desde a primeira vez que testei, eu percebi como ele é poderoso. Eu reservo um tempinho para organizar a semana que virá e, de quebra, ainda ganho um momento para refletir sobre a semana que passou.

♥ Minha pergunta favorita do questionário é: "Eu enalteci alguém que amo essa semana, elogiando e dizendo o quanto sou grata por tê-lo em minha vida?". Se a resposta é não, eu já pego o celular e escrevo uma mensagem apaixonada. O ideal é escolher pessoas com quem eu não costumo ser tão  amorosa, mas que são parceiros de anos e a quem admiro de verdade.

♥ Aos amigos que receberam mensagens inesperadas na quarta-feira à noite ou no sábado à tarde: é que O MEU ORGULHO DE VOCÊS NÃO CABE EM MIM, CARAMBA!

♥ Fiz exercícios físicos (quase) todos os dias. Comecei uma rotina nova de yoga e step e estou amando a minha disciplina.

♥ Estudei inglês de forma consistente. Inclui na rotina novamente e estou cumprindo uma hora de estudo diário, conforme o combinado comigo mesma.

♥ Meu caderno de captura está se consolidando como hábito, assim como o Notion (que abriga hoje: Próximas Ações, Um dia/talvez e Commonplace Book).

♥ Voltei a seguir meus horários. Quem diria, né, a pessoa esbravejava por aí que odiava rotina e precisava de novidade para ser feliz no dia a dia, e agora depende exatamente da mesma para se sentir em paz. Vai entender!

Aqui

A minha casa na internet viveu um segundo mês movimentado. Menos conteúdo (eu me desorganizei um pouco), mais visitantes. Colhendo os bons frutos das sementes plantadas lá no Pinterest.

♥ Meu post favorito: Viver em Casa Também é Resistência (pelos comentários) e 50 Lembretes Para Sobreviver a um Dia Ruim (pelo conteúdo).

101 em 1001

 Item cumprido: Conhecer um amigo virtual antigo (antes de 2017).
 Item cumprido: Contemplar o sucesso profissional de algum amigo íntimo.

Detalhes

♥ Fui para São Paulo e conheci pessoalmente a Midria e o Matheus.

♥ Amanda se formou.

♥ Ganhei dinheiro no Studybay.

♥ Beatriz veio me visitar.

♥ Fiz um trabalho na Le Postiche.

♥ Toquinho morreu, depois de 12 anos caninos.

♥ O Assistente de Casa nasceu.


Se você foi corajoso e chegou até aqui, me conte: como foi Novembro pra você?

E, é claro, a trilha sonora.


Postagens Semelhantes

2 comentários

  1. Eu já li A Idade Decisiva e adorei! Realmente a autora dá uns tapas na nossa cara, que a gente precisa de um tempo pra digerir. É muita cresça limitante pra quebrar haha

    Confesso que Novembro foi um mês bem turbulento pra mim. Não foi dos melhores, mas foi aquele mês onde eu fechei uma porta e estou procurando por outras que estão se abrindo hehe

    Bom Dezembro pra gente ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se as portas não se abrirem, você arromba elas. VOCÊ PODE TUDO!

      Excluir